Coito programado é alternativa de tratamento


compartilhe esse post.

Namoro programado

A infertilidade é um problema que acomete cerca de 15% dos casais no mundo. Para um casal ser considerado infértil é preciso que eles tenham relações sexuais frequentes sem usar nenhum tipo de método contraceptivo por um ano e não obter sucesso na gravidez. Caso a mulher tenha mais de 35 anos, esse período diminui para 6 meses. Em todos os casos em que há a suspeita de infertilidade o casal deve procurar uma clínica de reprodução humana.

Quando a infertilidade é detectada é importante que o casal busque um médico especialista em reprodução assistida para diagnosticar qual é a causa da infertilidade e analisar qual é o melhor tratamento para o caso.

Coito programado auxilia casais em SP

O coito programado é uma das alternativas mais simples para auxiliar na reprodução humana e serve apenas para alguns casos de infertilidade. O processo não envolve procedimentos cirúrgicos e envolve mais exames e análise do casal do que grandes quantidades de medicamentos. O tratamento, também chamado de namoro programado, segue algumas etapas:

  • A mulher utiliza uma pequena quantidade de hormônios para estimular o crescimento de seus óvulos.
  • Após alguns dias, quando o folículo ovariano já possui cerca de 18mm a liberação do óvulo é estimulada com outro hormônio;
  • O casal é orientado a manter relações sexuais nesse período.

Todo o processo de crescimento e indução da ovulação é acompanhado por ultrassonografias frequentes, de forma a acompanhar o crescimento e liberação do óvulo e também outros aspectos necessários para a gestação, como o espessamento do endométrio.

A taxa de sucesso do tratamento de reprodução assistida citado é de 20% a cada tentativa, sendo que as chances aumentam quanto mais jovem for o casal.

Centro de fertilização em São Paulo alerta sobre pós-tratamento

O coito programado não costuma trazer muitos riscos ou reações adversas por ser pouco invasivo e utilizar pequenas doses de hormônio. No entanto, um grande risco do tratamento é a gravidez múltipla que pode ocorrer após a estimulação ovariana. O acompanhamento ultrassonográfico é importante por esse aspecto também, uma vez que detecta a hiperestimulação ovariana.

Quando o casal tenta obter sucesso no coito programado em 3 tentativas sucessivas e não consegue engravidar o mesmo deve considerar a procura por outro tratamento de fertilidade mais complexo e que possua maior taxa de sucesso.

Imagem: Shutterstock.



Redes Sociais

Confira as novidades da Mater Prime nas nossas redes sociais e compartilhe com seus amigos.


© 2015 - Desenvolvido por WSI