Como a personalidade afeta a fertilidade


compartilhe esse post.

Personalidade pode causar infertilidade

Homens com traços de personalidade neurótica estão tendo menos filhos, em comparação com as gerações anteriores, de acordo com um novo estudo publicado no European Journal of Personality. O estudo examinou o efeito da personalidade do individuo e a probabilidade dela ter filhos, usando extensa pesquisa e dados do registro de nascimento na Noruega. O estudo também determinou que os homens que são extrovertidos e abertos tendem a ter mais filhos, enquanto as mulheres classificadas como conscienciosas em testes de personalidade tendem a ter menos filhos.

 

O estudo pode ter implicações importantes para a dinâmica da população num momento em que as taxas de fertilidade entre os países desenvolvidos caíram para abaixo das taxas de reposição populacional. Efeitos de personalidade podem ser um fator que contribui para o declínio das taxas de fertilidade na Europa, diz Vegard Skirbekk do IIASA , que liderou o estudo, mas que não tenham sido previamente estudado em detalhe. Mudanças populacionais são um fator importante para projetar mudanças futuras na sustentabilidade, clima, energia e segurança alimentar, áreas de pesquisa do núcleo do IIASA.

 

Em particular, Skirbekk observa o declínio da gravidez entre os homens neuróticos (homens que tendem a ser mal-humorados e emocionais). O estudo descobriu que o efeito só se aplica para os homens nascidos após 1957. Skirbekk diz que a mudança na fertilidade desses homens poderia ser devido a novas normas em ter filhos, por exemplo, que os casais hoje esperam mais tempo para ter filhos, e os casais tendem a conhecer uns aos outros por mais tempo antes de ter filhos.

 

O estudo foi possível graças registros extremamente detalhados da Noruega sobre nascimentos e uma pesquisa integrada sobre personalidade, o que permitiu aos pesquisadores examinar as conexões entre a fertilidade e a personalidade feminina e masculina. "Entre os homens, muitas vezes, você não sabe exatamente quantos filhos eles têm porque a informação não é correspondida nos registros, mas para a Noruega temos informações muito exatas", diz Skirbekk.

 

Embora o estudo considera apenas a Noruega, Skirbekk diz que os resultados provavelmente se aplicam mais amplamente. "A Noruega é um país líder em termos de dinâmica familiar", diz Skirbekk "Muitas tendências que foram observadas pela primeira vez na Noruega – aumento de convivência entre casais, índices de divórcio e, posteriormente, o casamento, por exemplo -, em seguida, foi observado mais tarde em muitas outras partes do mundo. ".



Redes Sociais

Confira as novidades da Mater Prime nas nossas redes sociais e compartilhe com seus amigos.


© 2015 - Desenvolvido por WSI