Congresso de Reprodução Humana apresenta principais alternativas para a área – Parte 2


compartilhe esse post.

Congresso de Reprodução Humana - Dr Giuliano Bedoschi

Confira outras novidades do Congresso da Sociedade Europeia de Reprodução Humana comentadas pelo médico da Mater Prime, Dr. Giuliano Bedoschi.

Fatores preditivos de infertilidade feminina

Outro tema abordado no congresso foi: os fatores preditivos de infertilidade feminina. Com base em dados coletados na história clínica da paciente e exames laboratoriais é possível identificar quais alterações detectadas tem uma real influência sobre a fertilidade feminina, servindo como marcadores independentes de sucesso dos tratamentos de reprodução humana.

Alguns exames, mesmo que tenham resultados alterados, não implicam necessariamente em piores taxas de gravidez. Uma das pesquisas apresentadas, por exemplo, apontou que não há uma relação direta entre a diminuição dos níveis do hormônio Anti-Mülleriano e a diminuição das taxas de gravidez entre mulheres de mesma idade. O hormônio está relacionado a quantidade de óvulos presentes nos ovários, ou seja, a “reserva ovariana”. Entretanto, mesmo mulheres com uma reserva ovariana diminuída aparentemente apresentam boas chances de gravidez, quando comparadas com mulheres de mesma idade com níveis de hormônio Anti-Mülleriano maiores.

“Uma paciente com menor reserva ovariana deve ser incentivada a tentar engravidar e não perder a esperança”, destaca o especialista. Essas pesquisas permitem a avaliação de quais informações coletadas na histórica clínica e nos exames laboratoriais podem ter real impacto nas chances de gravidez de uma mulher.

Resposta ovariana

A partir de um copilado das melhores práticas apresentadas no congresso, o Dr. Giuliano Bedoschi ainda destaca o que há de novidades na área de resposta ovariana, com as aulas apresentadas sobre o tema “técnicas para melhor resposta ovariana para pacientes com baixa reserva ovariana”.

Algumas mulheres têm menos do que quatro óvulos coletados após a realização do estímulo ovariano, o que é conhecido como baixa resposta ovariana. Entre as pesquisas apresentadas estão aquelas que mostram as melhores práticas para estímulo ovariano visando conseguir extrair um número maior de óvulos. Entre as substâncias estudadas para melhorar as taxas de gravidez entre as mulheres com resposta ovariana diminuída estão:

  • DHEA;
  • LH recombinante;
  • Melatonina.

Outro tema apresentado nessa sessão foi sobre a realização da Mini-FIV (mínimo estímulo) ou da estimulação ovariana tradicional (realizada na maioria dos ciclos de FIV) em pacientes com baixa reserva ovariana. Um estudo comparando o uso dessas duas modalidades de estímulo ovariano, mostrou que as pacientes apresentam o mesmo resultado em taxa de gravidez e nascidos vivos, utilizando menos quantidades de hormônios no grupo da Mini-FIV, o que acarreta diminuição dos custos do tratamento para essas pacientes, sem diminuição das chances de gravidez.

Ciclos de fertilização in vitro mais seguros e eficazes

O debate “Caminhando para um ciclo de Fertilização In Vitro mais seguro e eficaz” contou com uma aula sobre técnicas utilizadas para reduzir ao máximo as chances de hiperestímulo ovariano (síndrome causada devido os hormônios ministrados durante o processo de estímulo ovariano) e com uma aula sobre a política de congelamento de embriões nos casos em que os níveis de progesterona encontram-se elevados (>1.5) ao final do estímulo ovariano. A elevação dos níveis da progesterona pode diminuir a taxa de gravidez da paciente. Nesta aula apresentada pelo especialista brasileiro e grande amigo do Dr. Giuliano, Dr. Matheus Roque, o congelamento do embrião pode garantir a transferência do mesmo para dentro do útero da paciente em um ambiente mais receptivo para geração da gravidez.

Preservação de fertilidade

No último dia de congresso, foram apresentados estudos sobre preservação da fertilidade. A preservação da fertilidade é uma área da medicina reprodutiva que visa a criopreservação de gametas ou embriões para pacientes que possam apresentar um risco elevado de falência gonadal (ovariana ou testicular), decorrente de efeitos colaterais dos tratamentos oncológicos, tais como quimioterapia ou radioterapia.

Grandes centros mundiais publicaram os resultados dos transplantes de tecido ovariano congelados antes da administração dos tratamentos oncológicos. Apesar de ainda ser considerada técnica experimental, com poucos casos realizados ao redor do mundo, o transplante de tecido ovariano vem apresentando taxas de gravidez e taxas de nascidos vivos bastante animadoras. Hoje já contamos com mais de 40 bebês nascidos ao redor do mundo após o auto-transplante de tecido ovariano..

Mater Prime

O Dr. Giuliano destacou a importância da Mater Prime participar de eventos como o Congresso da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e outros dessa área, pois o campo da medicina reprodutiva evolui muito intensamente, principalmente com os novos meios de difusão do conhecimento, sendo necessária uma constante atualização dos seus profissionais.

Mater Prime

“Devemos nos atualizar constantemente. Somente assim obteremos os melhores resultados nos tratamentos de reprodução assistida. O trabalho em reprodução humana deve ser realizado de maneira minuciosa e devemos prestar atenção em todos os detalhes para oferecer aos nossos casais a melhor chance de gravidez, oferecendo o melhor tratamento possível, e isso só é possível com a personalização do atendimento e do tratamento”, finalizou o especialista.

Confira a primeira parte da série

 



Redes Sociais

Confira as novidades da Mater Prime nas nossas redes sociais e compartilhe com seus amigos.


© 2015 - Desenvolvido por WSI