UNIDADE NHAMBIQUARAS
(11) 4323-4462

UNIDADE TUIM
(11) 5533-5656

UNIDADE ALPHAVILLE
(11) 2135-0150

Fatores Femininos


Trombofilias

Trombofilias

Há diversos aspectos da imunologia humana relacionados ao sucesso ou insucesso da gestação. O sistema imune é o nosso principal mecanismo de defesa contra agentes externos, identificando e combatendo os chamados “antígenos” ou agentes “não-próprios” ao organismo.

O embrião é formado por 50% do material genético da mãe oriundo do óvulo e 50% do material genético do pai oriundo do espermatozoide. Sendo assim, o embrião é considerado pelo organismo materno como “não-próprio”. Porém, ao contrário do que ocorre com o reconhecimento pelo sistema imune de bactérias, vírus e mesmo células modificadas como as cancerígenas, na gestação, o sistema imune materno reconhece o embrião como “não-próprio”, mas por fatores ainda pouco esclarecidos, estabelece uma proteção adicional ao embrião através da produção de anticorpos bloqueadores do sistema imune.

Desse modo, a resposta imune deve permitir os seguintes acontecimentos para uma gestação bem sucedida:

  • Migração dos espermatozóides pelo canal cervical, útero e tubas uterinas até a fertilizaçào do óvulo;
  • Migração do embrião pela tuba e implantação do mesmo na cavidade uterina (endométrio);
  • Invasão do trofoblasto do embrião com formação da placenta e circulação feto-placenta-útero e crescimento e desenvolvimento do feto.

Qualquer alteração no sistema imune pode levar à rejeição do embrião ou do feto durante qualquer fase do processo da gestação.

Doenças auto-imunes

Embora o sistema imune seja programado para reconhecer componentes estranhos à ele (antígenos), algumas vezes devido a pequenas falhas nesse mecanismo, o sistema imune pode reconhecer células próprias do nosso organismo e produzir auto-anticorpos contra essas células. Originam-se, assim, as chamadas doenças auto-imunes, sendo as mais comuns o lúpus eritematoso sistêmico, esclerodermia, artrite reumatóide e doenças da tireóide. Porém, em situações mais amenas, as únicas manifestações dessa desregulação do sistema imune são a infertilidade por falhas de implantação do embrião ou abortos de repetição.

Trombofilia e Infertilidade

A trombofilia é definida como a tendência à trombose nos vasos sanguíneos, decorrentes de alterações no sistema de coagulação do sangue. Há uma cascata complexa de reações com diversos componentes que promovem a formação de coágulos na corrente sanguínea, desencadeados por alguma injúria no vaso sanguíneo. Quando há alguma ruptura da parede do vaso, para evitar extravasamento do sangue, os fatores de coagulação são ativados e o coágulo formado interrompe esse processo. Também há os componentes que impedem e controlam a formação dos coágulos, permitindo o perfeito controle do sistema de coagulação.

No caso de portadores de trombofilias hereditárias, há uma tendência maior à formação dos coágulos, mesmo sem injúria nos vasos. Isso ocorre pois os fatores inibidores da coagulação podem estar deficientes por mutações genéticas ou mesmo pode haver alterações genéticas relacionadas com a produção dos fatores de coagulação.

Os fatores que inibem a coagulação do sangue que podem diminuir por alteração genética são:

  • Antitrombina
  • Proteína C
  • Proteína S
  • Resistência à proteina C ativada

Os fatores que promovem a coagulação e que podem estar aumentados são:

  • Mutação no gene do fator V de Leiden
  • Mutação no gene da Protrombina

O aumento da agregação plaquetária (junção das plaquetas para ajudar na coagulação) também é uma causa de oclusão dos vasos sanguíneos.É a chamada Síndrome da plaqueta viscosa.

As trombofilias podem ocasionar oclusão dos pequenos vasos do endométrio e dificultar ou impedir a implantação do embrião. Deve-se lembrar que as trombofilias são raras e a investigação deve ser realizada principalmente nos casos de falhas em tratamentos de fertilização in vitro, abortos de repetição, infertilidade sem causa aparente (ISCA) e nos casos com histórico familiar.

O tratamento inclui o uso de anticoagulantes (heparina) ou os antiagregantes plaquetários (como o ácido acetilsalisílico).

Entre em contato e tire suas dúvidas

Outros Tópicos


Fator Ovulatório

A Síndrome de anovulação crônica caracteriza-se pela ausência persistente ou frequente da ovulação nas mulheres. Manifesta-se principalmente por irregularidade...

Fator Tubário

Entre as mulheres que possuem problemas de infertilidade, o fator tubário é responsável por 30% a 40% dos casos....

Fator Uterino e Cervical

Qualquer doença ginecológica que possa alterar a cavidade endometrial (parte interna do útero onde ocorre a implantação do embrião)...

Síndrome dos Ovários Policísticos

A Síndrome dos ovários policísticos ou micropolicísticos (SOP) é caracterizada por alterações hormonais que impedem a gravidez de forma...

Endometriose

Endometriose é uma doença ginecológica benigna na qual as células que normalmente recobrem o útero por dentro, chamadas de...

Miomas Uterinos

O mioma uterino é um tumor benigno que se desenvolve no útero em mulheres com predisposição genética, aparecendo principalmente...

Baixa Reserva Ovariana (Idade acima dos 35 anos)

A reserva ovariana de uma mulher é determinada ao nascimento. Infelizmente não existem células nos ovários das mulheres capazes...

Más-Respondedoras

O termo “má-respondedora” é utilizado para definir a mulher que necessita de doses elevadas de medicamentos para o estímulo...

Idade Avançada

Falência ovariana precoce: Consiste na perda da função ovariana antes dos 40 anos de idade. Se os ovários falham,...

INDIQUE
O SITE

Indicar

CADASTRE-SE

Cadastre-se para receber os nossos boletins

NEWSLETTER

Cadastrar

UNIDADE NHAMBIQUARAS
(11) 4323-4462

UNIDADE TUIM
(11) 5533-5656

UNIDADE ALPHAVILLE
(11) 2135-0150

Gerenciado por

(11) 4323-4462
(11) 5533-5656
(11) 2135-0150

Anterior

Pr?ximo

  • Banner 01
  • Banner 02
  • Banner

Fatores Femininos

voltar

Trombofilias

Trombofilias

Há diversos aspectos da imunologia humana relacionados ao sucesso ou insucesso da gestação. O sistema imune é o nosso principal mecanismo de defesa contra agentes externos, identificando e combatendo os chamados “antígenos” ou agentes “não-próprios” ao organismo.

O embrião é formado por 50% do material genético da mãe oriundo do óvulo e 50% do material genético do pai oriundo do espermatozoide. Sendo assim, o embrião é considerado pelo organismo materno como “não-próprio”. Porém, ao contrário do que ocorre com o reconhecimento pelo sistema imune de bactérias, vírus e mesmo células modificadas como as cancerígenas, na gestação, o sistema imune materno reconhece o embrião como “não-próprio”, mas por fatores ainda pouco esclarecidos, estabelece uma proteção adicional ao embrião através da produção de anticorpos bloqueadores do sistema imune.

Desse modo, a resposta imune deve permitir os seguintes acontecimentos para uma gestação bem sucedida:

  • Migração dos espermatozóides pelo canal cervical, útero e tubas uterinas até a fertilizaçào do óvulo;
  • Migração do embrião pela tuba e implantação do mesmo na cavidade uterina (endométrio);
  • Invasão do trofoblasto do embrião com formação da placenta e circulação feto-placenta-útero e crescimento e desenvolvimento do feto.

Qualquer alteração no sistema imune pode levar à rejeição do embrião ou do feto durante qualquer fase do processo da gestação.

Doenças auto-imunes

Embora o sistema imune seja programado para reconhecer componentes estranhos à ele (antígenos), algumas vezes devido a pequenas falhas nesse mecanismo, o sistema imune pode reconhecer células próprias do nosso organismo e produzir auto-anticorpos contra essas células. Originam-se, assim, as chamadas doenças auto-imunes, sendo as mais comuns o lúpus eritematoso sistêmico, esclerodermia, artrite reumatóide e doenças da tireóide. Porém, em situações mais amenas, as únicas manifestações dessa desregulação do sistema imune são a infertilidade por falhas de implantação do embrião ou abortos de repetição.

Trombofilia e Infertilidade

A trombofilia é definida como a tendência à trombose nos vasos sanguíneos, decorrentes de alterações no sistema de coagulação do sangue. Há uma cascata complexa de reações com diversos componentes que promovem a formação de coágulos na corrente sanguínea, desencadeados por alguma injúria no vaso sanguíneo. Quando há alguma ruptura da parede do vaso, para evitar extravasamento do sangue, os fatores de coagulação são ativados e o coágulo formado interrompe esse processo. Também há os componentes que impedem e controlam a formação dos coágulos, permitindo o perfeito controle do sistema de coagulação.

No caso de portadores de trombofilias hereditárias, há uma tendência maior à formação dos coágulos, mesmo sem injúria nos vasos. Isso ocorre pois os fatores inibidores da coagulação podem estar deficientes por mutações genéticas ou mesmo pode haver alterações genéticas relacionadas com a produção dos fatores de coagulação.

Os fatores que inibem a coagulação do sangue que podem diminuir por alteração genética são:

  • Antitrombina
  • Proteína C
  • Proteína S
  • Resistência à proteina C ativada

Os fatores que promovem a coagulação e que podem estar aumentados são:

  • Mutação no gene do fator V de Leiden
  • Mutação no gene da Protrombina

O aumento da agregação plaquetária (junção das plaquetas para ajudar na coagulação) também é uma causa de oclusão dos vasos sanguíneos.É a chamada Síndrome da plaqueta viscosa.

As trombofilias podem ocasionar oclusão dos pequenos vasos do endométrio e dificultar ou impedir a implantação do embrião. Deve-se lembrar que as trombofilias são raras e a investigação deve ser realizada principalmente nos casos de falhas em tratamentos de fertilização in vitro, abortos de repetição, infertilidade sem causa aparente (ISCA) e nos casos com histórico familiar.

O tratamento inclui o uso de anticoagulantes (heparina) ou os antiagregantes plaquetários (como o ácido acetilsalisílico).

Entre em contato e tire suas dúvidas

Outros Tópicos

  • Fator Ovulatório

    A Síndrome de anovulação crônica caracteriza-se pela ausência persistente ou frequente da ovulação nas mulheres. Manifesta-se principalmente por irregularidade...

  • Fator Tubário

    Entre as mulheres que possuem problemas de infertilidade, o fator tubário é responsável por 30% a 40% dos casos....

  • Fator Uterino e Cervical

    Qualquer doença ginecológica que possa alterar a cavidade endometrial (parte interna do útero onde ocorre a implantação do embrião)...

  • Síndrome dos Ovários Policísticos

    A Síndrome dos ovários policísticos ou micropolicísticos (SOP) é caracterizada por alterações hormonais que impedem a gravidez de forma...

  • Endometriose

    Endometriose é uma doença ginecológica benigna na qual as células que normalmente recobrem o útero por dentro, chamadas de...

  • Miomas Uterinos

    O mioma uterino é um tumor benigno que se desenvolve no útero em mulheres com predisposição genética, aparecendo principalmente...

  • Baixa Reserva Ovariana (Idade acima dos 35 anos)

    A reserva ovariana de uma mulher é determinada ao nascimento. Infelizmente não existem células nos ovários das mulheres capazes...

  • Más-Respondedoras

    O termo “má-respondedora” é utilizado para definir a mulher que necessita de doses elevadas de medicamentos para o estímulo...

  • Idade Avançada

    Falência ovariana precoce: Consiste na perda da função ovariana antes dos 40 anos de idade. Se os ovários falham,...