Criptorquidia

criptorquidia

Uma causa congênita (presente desde o nascimento) que é causa comum de infertilidade masculina e que pode ser tratada ainda na pequena infância é a criptorquidia. A doença caracteriza-se pela descida incompleta dos testículos para o escroto, com os mesmos permanecendo na região abdominal ou no canal inguinal.

Para desenvolver corretamente os espermatozoides, o testículo deve estar em uma temperatura mais baixa do que o natural do corpo humano – cerca de 1,5°C a 2°C mais baixa. Um dos motivos da criptorquidia poder levar à infertilidade é o aumento de temperatura quando o testículo se encontra no canal inguinal.

O aumento de temperatura diminui a produção, concentração e a qualidade dos espermatozoides. O problema frequentemente evolui para a azoospermia, que é a ausência de espermatozoides no sêmen, o que impossibilita a gravidez natural.

 

Tratamentos

Quando a criptorquidia é detectada através de exames clínicos ou através da ressonância magnética em crianças, a mesma deve ser operada ou tratada precocemente. Cada caso deve ser avaliado por um urologista, que indicará o melhor tratamento para cada caso.

  • O tratamento hormonal consiste na administração de hCG (gonadotrofina coriônica), um hormônio que promove o amadurecimento do testículo e auxilia na fase final de migração do mesmo para o escroto.
  • Em casos mais severos, com o testículo na cavidade abdominal, especialmente se o caso é unilateral – ou seja, ocorre apenas em um testículo – o tratamento é cirúrgico, liberando o órgão das aderências que se formam no abdômen. Assim, naturalmente ele desce para o escroto, sanando o problema. Essa cirurgia deve ser realizada até os dois anos de vida da criança.

Caso contrário, o testículo fica inoperante, levando à esterilidade e até mesmo à degeneração do órgão, transformando-o em uma neoplasia maligna. Homens com histórico de criptoquirdia apresentam um risco maior de desenvolver câncer de testículo.

Fertilização

Nos casos de azoospermia causada pela criptoquirdia,  a biópsia testicular pode apontar a presença de espermatozóides. Nesses casos, é possível ao homem alcançar a paternidade biológica, através da coleta de tais gametas através de punção testicular ou biópsia ( microtese) e posterior ICSI ( técnica de fertilização in vitro).

Caso a esterilidade seja confirmada ( azoospermia verdadeira- ausência de espermatozóides nos testículos), ainda é possível realizar o sonho da gestação do casal recorrendo aos bancos de sêmen, que promovem doação anônima de gametas e possibilitam os processos de reprodução assistida.

Redes Sociais

Confira as novidades da Mater Prime nas nossas redes sociais e compartilhe com seus amigos.


© 2015 - Desenvolvido por WSI