O que é criptorquidia? Ela pode causar infertilidade masculina?


compartilhe esse post.

Uma condição congênita, considerada uma das causas frequentes de infertilidade masculina, a criptorquidia é caracterizada pela descida incompleta de um ou ambos testículos para o saco escrotal, permanecendo no abdômen ou no canal inguinal da criança.

A criptorquidia atinge cerca de 4% dos meninos e é geralmente causada pela falta de estímulos hormonais ou alterações na formação do abdômen do bebê durante a gestação. Na maioria dos casos de criptorquidia, os testículos passam ao escroto sem precisar de intervenção cirúrgica ou outra forma de tratamento no decorrer de aproximadamente um ano e meio.

Apesar de ser uma condição bastante específica, a criptorquidia é indolor, apresenta-se mais comum em bebês nascidos prematuros e pode prejudicar o potencial fértil do paciente.

Como a criptorquidia causa a infertilidade masculina?

Para ter condições de produzir espermatozoides os testículos precisam estar em uma temperatura mais baixa do que a natural do corpo humano, cerca de 1,5 ºC a 2 ºC a menos do que a temperatura média corporal.

Nos casos em que o homem é acometido pela criptorquidia, devido ao testículo não conseguir manter-se com uma temperatura mais baixa do que deveria, pois está na cavidade abdominal ou canal inguinal, o homem passa a não produzir espermatozoides da maneira adequada, alterando características da produção dos espermatozoides, como a concentração e a qualidade.

Em alguns casos de criptorquidia, a alteração na produção de espermatozoides resulta na azoospermia; condição caracterizada pela ausência de espermatozoides no sêmen do paciente, que, devido à enfermidade, torna-se infértil.

criptorquidia - infertilidade masculina

Qual é o tratamento para criptorquidia?

O ideal é que os casos de criptorquidia sejam identificados no momento do nascimento da criança. Também é possível o diagnóstico por meio de ressonância magnética e, assim que identificada, deve ser tratada de maneira precoce para que não chegue a afetar a fertilidade da criança no futuro.

As formas de tratamento devem ser indicadas por um urologista e podem ser:

  • Hormonal: o especialista realiza a administração de hCG – hormônio que promove o amadurecimento do testículo, podendo auxiliar na migração natural do órgão para o escroto;
  • Cirúrgico: principalmente quando a criptorquidia é unilateral – atinge apenas um testículo, a conduta a ser tomada é cirúrgica. O especialista realiza a remoção das aderências que prendem o órgão no abdômen e ele naturalmente desce para o escroto. Esse método é permitido em crianças de até dois anos de idade.

Quando não é realizado nenhum tipo de tratamento o testículo torna-se inativo, aumentando o risco de infertilidade. Além disso, esse testículo pode apresentar um risco aumentado de transformação maligna.

Em alguns casos de azoospermia, é possível identificar a presença de espermatozoides por meio de biópsia testicular. Quando isso ocorre, é possível o homem tornar-se pai biológico por meio de técnicas de punção testicular para extração de espermatozoides e tratamentos de reprodução humana de alta complexidade, como a ICSI. Outra opção nesses casos pode ser a utilização de bancos de sêmen, que possibilitam a doação anônima de gametas masculinos, tornando viável um procedimento de reprodução assistida, como a inseminação artificial ou a fertilização in vitro.

Sempre que um casal sentir dificuldades em engravidar, tentar conceber uma gestação por cerca de 12 meses sem sucesso, é aconselhado buscar o auxílio de um especialista em reprodução humana e checar a saúde fértil do casal. Apenas um especialista poderá orientar o melhor tratamento para cada caso.

Agende sua consulta



Redes Sociais

Confira as novidades da Mater Prime nas nossas redes sociais e compartilhe com seus amigos.


© 2015 - Desenvolvido por WSI