Qual a complexidade dos tratamentos de uma clínica de reprodução?


compartilhe esse post.

Tratamento de reprodução humanaDiversas causas podem levar um casal à infertilidade, sendo que a causa pode ocorrer na mulher, no homem ou em ambos. O diagnóstico de infertilidade é definido em uma clínica de reprodução e dependendo do que causa a dificuldade em engravidar, um tratamento específico é recomendado.

Os tratamentos são indicados conforme o problema que o casal apresenta, sendo que apenas é possível o diagnóstico após exames e análise clínica. Vale lembrar que para ser considerado infértil, a priori, o casal deve ter relações sexuais frequentes sem métodos anticoncepcionais por um ano e não obter sucesso na gravidez – caso a mulher tenha mais de 35 anos esse período é reduzido para seis meses.

Clínica de reprodução apresenta diversos tratamentos

Uma clínica de reprodução possui diversos tipos de tratamento para engravidar, sendo que eles possuem diferentes graus de complexidade quanto aos procedimentos a serem adotados. Dependendo do tratamento, ele pode envolver hábitos de vida, medicamentos, intervenções laboratoriais e até mesmo cirurgias.

Baixa complexidade

Os tratamentos de baixa complexidade são comumente os mais baratos e apresentam taxas de sucesso não muito elevadas, mas são altamente eficazes em algumas situações. Os principais são:

  • Coito programado – a técnica estimula a ovulação feminina por meio de medicamentos e indica o melhor período para o casal manter relações e ter maiores chances de ocorrer a concepção.
  • Inseminação artificial – o tratamento consiste na injeção de espermatozoides selecionados diretamente no útero. Pode ser realizada com ou sem estimulação ovariana e ocorre sem necessidade de anestesia.

Alta complexidade

Os procedimentos de alta complexidade são indicados em algumas situações específicas, costumam ter um custo mais elevado que os tratamentos de baixa complexidade e também altas taxas de sucesso. Os mais comuns são:

  • Fertilização in vitro (FIV) – neste método os gametas do casal são retirados e unidos em laboratório. Após alguns dias de desenvolvimento no laboratório o embrião é implantado no útero materno.
  • Mini-FIV – uma variação da FIV, produz menos embriões e por isso é menos custosa, mas seu procedimento é idêntico ao da fertilização in vitro tradicional, alterando apenas a quantidade de medicamentos utilizados e consequentemente, gerando menos óvulos.
  • ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoide – também pode ser considerada uma variante da fertilização in vitro. A diferença é que no procedimento apenas um espermatozoide é injetado dentro do óvulo, enquanto na FIV tradicional o processo é feito com até milhares de gametas masculinos ao redor do óvulos para que ocorra a Fertilização por algum desses espermatozoides.

Seja qual for o tratamento adequado ao casal, vale ressaltar que todos possuem suas indicações e taxas de sucesso. Caso eles não consigam engravidar na primeira tentativa, não devem desistir do sonho de ter um filho e procurar informação médica sobre a causa da falha antes de tentar outro tratamento para engravidar.



Redes Sociais

Confira as novidades da Mater Prime nas nossas redes sociais e compartilhe com seus amigos.


© 2015 - Desenvolvido por WSI